Senta que lá vem história… Ou A origem de tudo: uma ‘Cintiq’ mais acessível.

Desde a primeira vez que vi o lançamento do iPad, em 2010, eu só pensava em ter um para pdoer usar como uma prancheta de desenho. Como eu tenho uma dificuldade muito grande de usar uma tablet normal da Wacom para desenho (pois nunca me acostumei com a mão desenhar de um lado e eu ter que olhar para o monitor) e as Cintiqs tinham tem um preço um pouco salgado, o novo brinquedinho da Apple parecia ser a solução ideal.

Eu adquiri meu priemiro iPad, um modelo da primeira geração, no dia que a Apple lançava a segunda, já com algumas melhorias. Nessa época já existiam alguns aplicativos interssantes para se desenhar. Mas haviam dois problemas: as limitações dos aplicativos da época (mesmo os pagos, pareciam uma Paint de segunda) e a ausência de uma caneta stylus.

Na época um aplicativo que se destacou foi o Sketchbook Pro, criado pela Autodesk. Apesar dele parecer um pouco ‘engessado’ no iPad, oferecia a maioria das funcionalidades que a versão de desktop tinha. Até surgir um app gratuito de desenho criado pela Savage Intective que revolucionaria a maneira de desenhar no iPad: Procreate. Já de inicio oferecia diversas ferramentas e recursos que o Sketchbook Pro não tinha, como poder girar a tela e diversos pincéis já na versão gratuíta e mais algusn pacotes de pincéis pagos (o que era um ótimo investimento). Até hoje o Procreate é o meu app favorito de desenho.

Soluções com Stylus

Nessa época já haviam algumas stylus mas foi a Wacom que criou uma realmente eficiente, a Bamboo Stylus. Sua ponta era um pouco menor do que as concorrentes permitindo um amior controle sobre o desenho. Os únicos problemas eram que a borracha da ponta que gastava e a ausência do “peso” no traço, dificultando na hora de dar volume ao desenho.

Mas em 2013 a Wacom lançaria a Intuos Creative Stylus, uma bersão turbinada da Bamboo Stylus, com bluetooth e sensor que finalmente detectava o peso do traço. O interessante que, apesar de usar uma pilha AAAA (isso mesmo, menor que a palito), a caneta continuava leve com uma ótima ergonomia de uso.

Mesmo assim, o maior problema da canetas para iPad ainda eram a sua ponta grossa, dificultando um pouco a precisão em desenhos mais detalhados. Até que em 2014…

Surge a Intuos Creative Stylus 2…

Nessa nova versão a novidade era uma ponta fina, semelhante às outras tablets da empresa, além de ser leve, recarregável via usb (com um ótimo rendimento de carga) e o melhor de tudo: totalmente compatível com o Procreate (que nessa época tinha trocentas outras melhorias).

Curiosamente, minha primeira experiência com o ICS 2 foi um pouco decepcionante, uma parte por estar aconstumado com o traço grosso das Bamboo Stylus e os pincéis do Procreate exigirem uma reconfiguração maior para melhor eficiência. Resultado: deixei meu brinquedinho precioso (e caro) de lado.

E chegamos a conclusão: iPad Pro

Pois é. Em 2015 a Apple lança uma versão parruda do iPad, pensada justamente em artistas gráficos. E com a sua própria caneta, a – phodástica- Apple Pencil. Eu testei um numa loja e te digo: é um puta investimento que vale cada centavo.

Vamos ao desenho?

Mas não estou aqui só para falar sobre as vantagens e desvantagems do iPad e sim comentar sobre a minha redescoberta da Intuos Creative Stylus 2. A ilustração de hoje foi rabiscada com ela e devo dizer que dessa vez foi uma sensação muito agradável. Os traços fluíram perfeitamente, me deixando bastante satisfeito com o resultado…

E como todo desenho que faço, claro que esse tem histórinha…

Tudo começou quando eu passeava pela internet procurando referências para o Barrigas & Pelos e vi o trabalho de um desenhista chamado ロイヤル羊 (Roiyaru Hitsuji) – pelo menos acho que é esse o nome dele. Na sua galeria de trabalhos, duas me chamaram a atenção: um velho  guerreiro, que empunhava uma espadona a la Cloud de Final Fantasy VII e outra desse mesmo guerreiro imobilizado, seminu, mas amarrado na espada. Confira abaixo:

CONTEÚDO NSFW! CUIDADO AO ABRIR!!!

Clique aqui para ver!

Sabe aquela sensação de “eu queria ter tido essa idéia”? Aconteceu comigo com o desenho do guerreiro imobilizado. Então eu fui e resolvi fazer a minha versão. Na concepção, pensei num plot de aventura como um deus caído está preso numa caverna há eras e só os jogadores podem tentar libertá-lo. Só que na minha versão eu desenhei o personagem nú.

(ué, se em Tormenta podia ter uma estátua gigantesca de uma deusa quase nua, porque o meu deus não pode estar pelado?). O resultado vocês conferem logo abaixo, com e sem censura:

AVISANDO DE NOVO: CONTEÚDO NSFW! CUIDADO AO ABRIR!!!

Versão COM censura
Versão SEM censura (NSFW)

Então, o que acharam? Eu gostei bastante do resultado final…

E é isso. A versão NSFW será visível apenas por aqui, pessoas.
Até a próxima!

 

%d blogueiros gostam disto: